Home Campinas e RMC Sumaré Soro antiescorpiônico não tem pedidos no 1º mês em Santa Bárbara

Soro antiescorpiônico não tem pedidos no 1º mês em Santa Bárbara

6 min read
Comentários desativados em Soro antiescorpiônico não tem pedidos no 1º mês em Santa Bárbara
0
10

O primeiro mês em que o Pronto-Socorro Afonso Ramos, em Santa Bárbara d’Oeste, contou com soro antiescorpiônico não registrou solicitação. Nesse período, o município contabilizou sete acidentes com picadas de escorpiões na cidade. Especialista ouvido pela reportagem explicou que o soro é utilizado somente em casos mais graves ou com manifestações mais intensas de sintomas.

Foto: Divulgação Afonso Ramos passou a contar com o soro no ano passado

O soro antiescorpiônico foi solicitado pela Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste após a morte da menina Maria Eduarda Pigatto, de 10 anos, em novembro. A criança foi picada por um escorpião no Jardim Europa e morreu uma hora e meia depois de dar entrada no Pronto-socorro Edison Mano. O soro não foi aplicado. Até então, a solução era disponibilizada na região apenas pelo Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi, em Americana.

Após a morte da menina, familiares e amigos fizeram protestos pedindo que a cidade contasse com o soro. Foi constatado pela reportagem do LIBERAL que, após Maria Eduarda dar entrada na unidade de saúde, demorou-se uma hora para solicitação de soro junto ao Hospital Municipal de Americana.

A Secretaria Estadual de Saúde enviou as ampolas ao município no dia 23 de novembro, após apelo do prefeito Denis Andia (PV). Contudo, a homologação da cidade como um polo de referência foi divulgada apenas no dia 7 de dezembro.

O médico toxicologista e pediatra Fábio Bucaretchi, coordenador do CIATox (Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Campinas), da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), entende como um avanço o município ter passado a contar com o soro. Ele defende a presença da solução em todas as cidades.

“Na maioria das vezes, você só vai usar o soro em casos com manifestações exuberantes em crianças ou adultos em estado grave. Ter o soro é importante para uma situação de emergência para dispor do tratamento rapidamente. Contudo, mesmo com o soro, você pode ter caso grave que vai precisar de UTI (Unidade de Terapia Intensiva)”, explicou.

O especialista acredita que o soro não é disponibilizado em todos os municípios pois a quantidade atualmente produzida não seria suficiente.

Hospital é cotado como polo

Na RPT (Região do Polo Têxtil), Sumaré também conta com soro antiescorpiônico, além de Americana e Santa Bárbara d’Oeste. De acordo com Fábio Bucaretchi, coordenador do CIATox (Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Campinas), o Hospital Estadual Sumaré recebe doses enviadas pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), e atualmente estuda-se a possibilidade do local tornar-se um ponto de referência para o soro. A informação não foi confirmada pela Secretaria Estadual de Saúde.

“Como sabemos que há muitos acidentes em Sumaré e há uma boa UTI (Unidade de Terapia Intensiva) pediátrica, disponibilizamos dois tratamentos e pedimos para a Secretaria Estadual repor nosso estoque. O hospital ainda não é, mas deve virar um ponto estratégico para escorpião”, afirmou.

Ele desmentiu que a Unicamp seja uma “distribuidora” do soro, apontando que a universidade é apenas um ponto de referência, assim como Americana. A informação tem circulado pelo Whatsapp, de acordo com Bucaretchi.

ESTUDA. A Secretaria Estadual de Saúde informou que estuda, de maneira contínua, todos os pontos que podem se tornar referência do soro antiescorpiônico, levando em conta a incidência de casos. Contudo, não negou nem confirmou se Sumaré deve tornar-se um polo de referência. Prefeitura e hospital estadual não se manifestaram.

Load More Related Articles
Load More By redação
Load More In Sumaré
Comments are closed.

Check Also

Juliana Paes explica saída da Grande Rio após dois carnavais: ‘Nova novela’

Juliana Paes confirmou que não será rainha de bateria da Grande Rio no carnaval 2020 após …