Patricia Abravanel teve ajuda da irmã ao amamentar filha: ‘A Renata doava leite’

Patricia Abravanel respondeu a algumas perguntas de seus seguidores do Instagram nesta quarta-feira (11). No Stories do Instagram, a apresentadora falou sobre a fase de amamentação de Jane, de 6 anos, que nasceu em janeiro em uma maternidade de São Paulo. “Parei quando ela completou três meses! Sempre tive que complementar e muitas vezes a Renata (minha irmã) doava leite dela para eu complementar. Aí não teve jeito, bebê percebe que na mamadeira é mais rápido e esquece do peito”, explicou a empresária, sempre vista em momentos fofos com o filho, Pedro, de 3 anos. Questionada se a caçula é sapeca, ela respondeu: “A Jane é supertranquila e alegre. Vive sorrindo e só chora quando está com fome ou com sono”.

Veja também

Apresentadora preza a vida familiar

Casada com o deputado Fabio Faria, Patricia exaltou a importância do tempo em família: ela contou que coloca as crianças para dormir a noite. “Faço de tudo para estar em casa nesse horário! Amo contar historinha e orar com com eles! Pedro tem que agradecer por três coisas todos os dias antes de dormir. É muito fofo!”, afirmou. Se pretende ter mais filhos, apresentadora esclareceu: “Acabei de ter uma menina linda. Não sei ainda”.

Empresária confessa vontade de atuar

Patricia também revelou uma vontade especial de atuar em novelas. “Já pedi várias vezes para minha mãe deixar eu fazer uma participação nas novelas que ele escreve. Vou insistir nisso! Seria uma experiência incrível”, afirmou a filha da autora Íris Abravanel e Silvio Santos, clicado paparicando a neta. Em recente entrevista, a empresária entregou que não tinha a maternidade como sonho. “Não era uma coisa que eu ficava imaginando. Aí chegou uma época que eu comecei a querer ter filho. Aí comecei a sonhar em ser mãe. Mas eu já tinha uns 34 anos”, confessou. A artista ainda lembrou os dois abortos que sofreu: “Foi terrível. Fiquei deprê, três dias sem sair de casa. Eu enlouqueci, praticamente enlouqueci. Aí fiquei mais ansiosa, vi que não era fácil ter filho”.

(Por Patrícia Dias)