Criança é estuprada por 14 homens durante baile funk

Vítima, uma menina de 11 anos, disse que não conhece os parceiros e nem sabe se usaram preservativo

Uma menina de 11 anos foi estuprada por 14 homens em um baile funk em Praia Grande. A vítima disse que não conhece os parceiros e nem sabe se usaram preservativo. O caso aconteceu na quarta-feira (18), mas o boletim de ocorrência sobre o caso só foi registrado no domingo (22).

Apesar dela ter dito que as relações foram consensuais, o Artigo 217A do Código Penal estabelece que ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 anos é crime chamado estupro de vulnerável. A pena prevista é entre oito e 15 anos de cadeia.

A Tribuna conversou com exclusividade com uma mulher que abrigou a garota por duas noites depois dessa ocorrência. “A mãe a expulsou de casa e já foi a segunda vez. Ela bateu na minha porta e pediu para dormir aqui, pois não queria dormir na rua. Claro que eu deixei e dei todo o suporte”.

Sobre a menina ter se relacionado com 14 homens, a vizinha disse que sabia e que, por isso, marcou uma consulta médica esta semana. “Fiquei de boca aberta quando ouvi ela me dizendo isso. Não acreditei. Ela é muito pequena, muito menina. Acho um absurdo essas coisas. Marquei médico para pedir exames e ver como ela está”.

A mulher diz ainda que procurou a mãe da menina para saber o que estava acontecendo, sem sucesso. “Só ouvi que ela não queria mais saber da filha. Então, eu me comprometi a cuidar dela”.

Só que, antes da consulta agendada, a jovem começou a sentir dores nas costas e foi levada a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Praia Grande. “A médica me perguntou o que eu era dela e eu disse que tia de consideração. Então, logo acionaram o Conselho Tutelar e eu não falei mais com ela”.

No domingo à tarde, a menina voltou para a casa da vizinha, mas acompanhada do Conselho Tutelar e apenas para pegar seus pertences. “Nem consegui falar com ela. Fiquei com vergonha de tocar no assunto na frente de outras pessoas. Mas certamente irei atrás de notícias dela nos próximos dias”.

Segundo boletim de ocorrência, a médica que atendeu a garota percebeu características suspeitas e desconfiou que a jovem teria mantido relações sexuais. Mas, como a acompanhante não é da família, foi acionado o Conselho Tutelar.

De acordo com a conselheira tutelar, a vítima teria mantido relações sexuais com 14 homens desconhecidos há quatro dias em um baile funk que ela nem sabe onde aconteceu. A mãe da menina também foi procurada pelo Conselho Tutelar, mas, segundo o boletim, a mulher está passando por problemas de saúde e encontra-se internada.

A Reportagem entrou em contato com a Secretaria de Saúde de Praia Grande para saber o quadro de saúde da menina, mas foi informada de que não podem ser passadas informações sobre os pacientes. O caso foi registrado na Delegacia Sede de Praia Grande.