Connect with us
Operação Escudo - Governo de SP encerra ação policial após 28 mortes Operação Escudo - Governo de SP encerra ação policial após 28 mortes

Notícias

Operação Escudo – Governo de SP encerra ação policial após 28 mortes

Artigo

em

Por Agência Estado

A administração do governador Tarcisio de Freitas (Republicanos) comunicou na terça-feira, 5, o encerramento da Operação Escudo na região da Baixada Santista.

PUBLICIDADE

Desde seu início, em 28 de julho, a Polícia Militar registrou 28 mortes no litoral de São Paulo.

Contexto da Operação Escudo

A Operação Escudo foi desencadeada um dia após o soldado Patrick Bastos Reis, membro das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), a tropa de elite da PM paulista, ser morto durante a patrulha na Vila Zilda, no Guarujá. A operação visava prender os responsáveis pela morte do policial.

PUBLICIDADE

A decisão de encerrar a Operação Escudo foi anunciada no mesmo dia em que o juiz Renato Augusto Pereira Maia, da 11ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo, determinou que o governo Tarcisio de Freitas se manifestasse, em até 72 horas, sobre o pedido para que todos policiais envolvidos na ação sejam obrigados a usar câmeras corporais.

A ação foi impetrada pela Defensoria Pública de São Paulo e Conectas Direitos Humanos, que solicitaram que, caso a ordem para o uso obrigatório das câmeras não fosse atendida, a Justiça ordenasse ao governo a suspensão imediata da ofensiva.

PUBLICIDADE

Polêmicas envolvendo a operação

Existem relatos de que a operação teria feito uso excessivo das forças de segurança, com execuções e torturas, o que é negado pela Secretaria de Segurança Pública do Estado.

Mudança de comando

Na segunda-feira, já havia sido publicada no Diário Oficial a troca no comando da Rota. Foi anunciada a promoção do tenente-coronel Leonardo Akira Takahashi no 1º Batalhão de Policiamento de Choque (BPChq) e a transferência de Rogerio Nery Machado para o 4º BPChq.

PUBLICIDADE

Resultados da operação

Desde 28 de julho, 958 pessoas foram presas na Operação Escudo. Desse total, 382 eram procurados pela Justiça e estavam foragidas. No período, as forças de segurança apreenderam 117 armas e quase 1 tonelada de entorpecentes.

> ‘Esperamos que novas operações não sejam necessárias, mas, caso se façam necessárias, caso o Estado seja afrontado, em qualquer ponto, operações como a Escudo serão desencadeadas’, disse o secretário da Segurança Pública, Guilherme Derrite.

PUBLICIDADE

Operações policiais mais letais da história de São Paulo

1. Carandiru (outubro, 1992): 111 pessoas morreram na intervenção policial na Casa de Detenção, localizada na zona norte de São Paulo, para desmobilizar uma rebelião de presos. 30 anos depois, ninguém foi preso,
2. Castelinho (março, 2002): uma ação da PM resultou na morte de 12 pessoas em uma praça de pedágio da Rodovia Senador José Ermírio de Moraes, a Castelinho. Os 53 policiais envolvidos foram absolvidos,
3. Crimes de maio (maio, 2006): 505 civis e 59 agentes públicos foram mortos por arma de fogo em um intervalo de dez dias, segundo levantamento da Conectas Direitos Humanos em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Período foi marcado por escalada de violência do PCC,
4. Morumbi (dezembro, 2017): Dez pessoas, suspeitas de integrar uma quadrilha de roubo a residências, morreram em um tiroteio com policiais civis no Jardim Guedala, região do Morumbi. Quatro policiais ficaram feridos por estilhaços,
5. Guararema (abril, 2019): Onze suspeitos foram mortos pela polícia durante tentativa de assalto a dois bancos em Guararema, na região metropolitana de São Paulo.

E você, o que acha da Operação Escudo e de outras operações policiais? Deixe seu comentário e compartilhe sua opinião conosco.

PUBLICIDADE

Para informações adicionais, acesse o site

‘Este conteúdo foi gerado automaticamente a partir do conteúdo original. Devido às nuances da tradução automática, podem existir pequenas diferenças’.
PUBLICIDADE

Jornalista e editora do NHTV, um espaço onde trago as principais notícias do Brasil e do mundo. Minha paixão pelo jornalismo me motivou a criar este site, com o objetivo de oferecer informações precisas e imparciais sobre uma variedade de tópicos. Acredito no poder do jornalismo para informar, inspirar e capacitar as pessoas a compreenderem melhor nosso mundo em constante mudança. Agradeço por nos acompanhar e estou aqui para fornecer notícias confiáveis e relevantes.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE