Solteira, Mariana Goldfarb reflete sobre liberdade em viagem: ‘Escolhi a mim’

Solteira desde o fim do namoro com Cauã Reymond, Mariana Goldfarb desembarcou em Portugal nesta sexta-feira (17) para aproveitar dias de descanso. Em seu Instagram, a apresentadora fez uma reflexão sobre a liberdade: “Escolhi a mim. Nunca pensei que a liberdade custasse tão caro. Nada antes foi tão duro de conseguir. Me sinto com sede depois de ter bebido oceano. Continuo com sede. Me sinto sem braço, sem perna, sem mão mas não sem mim. Penso o que teria sido se eu tivesse optado pelos braços, pernas, anéis e brincos e esquecido das minhas sardas. É caro. Não é coisa de gente grande. É coisa de criança mesmo. Coisa de gente grande não quero não”.

Veja também

Apresentadora faz reflexão: ‘Quero ser lembrada rebelde’

A modelo, liberta de procedimentos estéticos, filosofou sobre levar uma vida sem ostentações: “Sou pequenina, sou broto, botão, nunca quis ser avião, sempre fui passarinho. Prefiro a ausência de sapatos. Não sei andar de salto alto. Prefiro o andar dos gatos. Prefiro a luz da lua aos flashes dos fotógrafos, eles cegam. Prefiro o calor do sol aos dos casacos caros. Aliás não gosto de casacos, nem de vestidos de paetês, entendi que ao vestir-me de mim fico insuportável aos olhos dos que fogem de si. Me disseram que sou rebelde, talvez seja mesmo e ai de mim se mudar. Vou pagar ainda mais caro, caríssimo, vou pagar com a minha vida. Vou morrer. Não quero morrer assim, seria triste. Quero morrer vestida de mim. Quero morrer sendo insuportável. Quero ser lembrada pelo sorriso com os sisos a mostra mas principalmente os caninos. Quero ser lembrada rebelde, criança, broto, botão, nunca avião. Já disse, sou passarinho”.

Modelo remove procedimentos estéticos: ’30 injeções na cara’

Goldfarb tem se preocupado em seguir uma rotina mais natural. Após admitir que encolhe barriga em fotos e exibir o rosto sem make nas redes sociais, a estudante de Nutrição contou que decidiu remover os procedimentos estéticos realizados no passado: “Eu levei umas trinta injeções na cara para tirar tudo que eu tinha feito. Foi tão sério e delicado que, quando a doutora tirou, eu ficava me tocando. Eu chorava. Foi a melhor coisa. Às vezes a gente paga um preço tão alto para ser algo que não é, que não existe, e nem vale a pena. Eu consegui me libertar e postar essas fotos no Instagram. Tenho orgulho de quem sou. Tudo bem também se você quiser colocar, não tem problema, mas eu não estava feliz com isso. Estava me estranhando e, agora, nem estou mais, eu gostei”.

(Por Tatiana Mariano)