Loubet canta com Henrique & Diego no primeiro EP do DVD “Singular”

Após emplacar a canção “Só o bagaço” nos sites, blogs e playlists especializadas do gênero sertanejo, Loubet retorna com um grande lançamento no mercado digital. A novidade está acessível desde a última sexta-feira (19), nas plataformas de áudio e vídeo. Trata-se do primeiro EP extraído do DVD “Singular”, contendo cinco faixas inéditas – uma delas, “Deu certinho”, com a participação especial de Henrique & Diego – e a regravação do sucesso “Naturalmente”.

Além de as novas músicas ganharem as plataformas de streaming, o carro-chefe do EP, “Deu certinho”, gravado ao lado de Henrique & Diego, está disponível, no Youtube, com vídeo exclusivo. O álbum “Singular” foi registrado em Campo Grande/MS, com produção musical de Dudu Borges, direção de vídeo de Fernando Trevisan (Catatau), e direção artística de Maurício Mello. O lançamento acontece pela gravadora MM Music.

Ouça no Spotify: http://bit.ly/spotifyloubetdeucertinho
Ouça no Deezer: http://bit.ly/deezerloubetdeucertinho

LOUBET
Com uma carreira sólida, Loubet é uma das principais figuras do movimento “Sertanejo Bruto”. Possui quatro CDs e três DVDs lançados, incluindo sucessos como “Tá rodada”, “Made in roça”, “Vira lata”, e o recente lançamento “Muié brava”. A nova aposta do cantor é o single “Só o bagaço”, em parceria com Jads & Jadson.

MM MUSIC
Com oito anos de mercado, hoje a MM Music é a principal gravadora digital do país. Consagrou-se ao revelar os dois principais sucessos de 2016 e 2017: “50 Reias” e “Dona Maria”, respectivamente. Juntos, os sucessos lançados exclusivamente pela gravadora somam mais de 700 milhões de execuções.

O slogan “A mais digital do Brasil” é reflexo do ótimo trabalho feito por Maurício Mello (CEO da empresa) e sua trupe, visando o mercado digital, atingindo grande visibilidade para os artistas do casting nas plataformas de streaming e Youtube, com direito a um canal de divulgação para mais de 750 mil inscritos (https://www.youtube.com/mmmusicdigital).

Fonte: Almanaque Sertanejo – Por Diego Vivan